A principal revista eletrônica de Arquitetura Paisagísticado Brasil !

Ivani Kubo apresenta seu Jardim Japonês


Ao caminhar por um jardim como esse, é comum ter a agradável sensação de paz e tranquilidade, pois esse estilo foi planejado ao longo de vários séculos para constituir locais serenos e que ressaltem a natureza  pura, inalterada. A água, as pedras e a vegetação induzem a contemplaçao e meditaçao, assim, o homem pode entrar em contato com sua própria essência.

O modelo nipônico utiliza muito verde, expressando eternidade, mas poucas floríferas, porque, na visão dos orientais , transformam-se rapidamente e são efêmeras. De modo geral, as espécies são de fácil manutenção, necessitando de poda duas vezes ao ano. ''As cores, formas e texturas são secundárias, havendo mais ênfase ás simbologias e representatividades  dos elementos ''. As flores ficam por conta da sakura ou cereja-do-japão (Prunus serrulata), azaleia (Rhododendron simsii) e camélia (Camélia japonica )". 

1_Jardim_Japones_Ivani_Kubo_2

''A primeira expressa paz resce , há festejos no Japão. A camélia é usada antecedendo o espaço principal do jardim , pois suas pétalas caem , o que para os japoneses faz menção às cabeças decepadas dos samurais (antigos soldados da aristocracia japonesa). Já a azaleia fica encarregada do colorido'';

1_Jardim_Japones_Ivani_Kubo_3

Outras plantas também são típicas, como pinheiro-preto ou matsu (Pinus sp), que representa a figura patriarcal da família, nandina (Nandina domética), usada do lado esquerdo da entrada denotando prosperidade, bambu (Phyllostachys spp), sua envergadura exprime reverência e humildade , ácer-vermelho ou mumidji (Acer palmatum), bambu-mossô (Phyllostachys pubescens ) , íris (Iris germanica) , musgo (Selaginella sp ), cavalinha (Equisetum arvense) , selaginela (selaginalla umbrosa) , glicínia (Wisteria sp), buxinho (Buxus sempervierens) , (Juniperus sp ) e bambusa (bambuza gracilis).

1_Jardim_Japones_Ivani_Kubo_1

A formação das áreas verdes ainda conta com a presença da água, que significa vida, onde estão acolhidas carpas (koy) , que , além de serem responsáveis pelo colorido e movimento , fazem referencias à longevidade e harmonia. ''Quando não há água, ela é simbolizada por lagos secos desenhados com pedriscos ''.

As pedras são fundamentais e um marco. Elas compoem a borda do lago, são dispotas simetricamente pelo ambiente e têm definição conforme o posicionamento, podendo remeter à família, ao sistema solar, aos deuses, entre outros.

1_Jardim_Japones_Ivani_Kubo_4

Um detalhe interessante é que sempre são empregados em números ímpares, uma vez que a cultura oriental os pares são fáceis de dividir e o objetivo do jardim é o contrário, unir.

Os caminhos do paisagismo  nipônicos nunca são retilíneos. As curvas sinuosas expressam o trajeto do homem durante a vida, sempre vencendo obstáculos para seguir em frente. ''Geralmente, são formados por pedras entremeados de pedriscos. Também é possivel dispor bancos ao longo do percurso, desde que sejam confeccionados de materiais rústicos, como madeira e pedra ''.

 

Ela ainda adiciona que, quando o espaço pemite, o lago com cascata é bem-vindo. Porém, a água deve ter movimento natural e ser cristalina, pois o objetivo é enxergar os peixes. ''Na entrada da área verde, é comum ter uma cuba (tsukubai) para lavar as mãos, significando a 'limpeza da alma' para refletire meditar, e um pergolado ou portal, sinômios de boas-vindas''.


Não é necessário conter todos os elementos representativos no ambiente mas, com habilidades, é importante escolher aqueles que são viáveis e sejam significativos para quem desfruta do lugar. ''Se antigamente tem um jardim japonês era privilégio de nobres e samurais, hoje, qualquer pessoa pode possuir um refúgio oriental, mesmo em pequenos espaços'.


Publicidade