A principal revista eletrônica de Arquitetura Paisagísticado Brasil !

29ª Expoflora - Cobertura completa da mostra de paisagismo - 5ª parte


Ambiente 17 – Encontro da Família

Para receber os filhos que não vivem mais na casa, a designer de paisagem Silvia Maretti, de Mogi Mirim, integrou vários ambientes no jardim. A família pode fazer as refeições ao ar livre e relaxar no spa para seis pessoas, nos futons, nas espreguiçadeiras sob o ombrelone ou no banco sob o pergolado.

Se a ideia for transformar os encontros de fim de semana em uma festa, a família tem a opção de divertir-se, onde o sistema de iluminação do spa em vinil permite que leds multicoloridos acompanhem o ritmo da musica que toca no ambiente, reproduzindo os movimentos sonoros por meio de feixes de luz em uma parede branca. O mesmo sistema de iluminação é utilizado no jardim.

Ambiente_Encontro_da_Famlia

No espaço gourmet a mesa retangular de madeira de reflorestamento tem a companhia da floreira com treliça das quais pendem vasos de cipó com ervas prontinhas para temperar as saladas. Dando suporte à cozinha, um aparador de madeira de demolição acomoda uma moderna pia com torneira de vidro, contrastando o antigo e o novo.

A curiosidade é o piso de cimentício, aplicado de duas diferentes maneiras: em parte do ambiente recebeu incrustadas de pedrinhas e conchinhas quebradas, oferecendo um aspecto rústico de areia prensada e, no deck do spa, o piso imita madeira de demolição. A pitangueira foi cercada por mesas com bancos que desenham um quadrado para que, sentados, os moradores sirvam-se de seus frutos. No paisagismo, orquídeas pendem de um grande painel de madeira rústica de três metros de altura. Já no jardim, as flores escolhidas têm cores intensas, como os antúrios. Uma jabuticabeira trás ao ambiente aconchego e contribui para atrair os pássaros.

Investimento aproximado: não informado

 

Ambiente 18 –  Jardim do Minigolfe

O entalhador Laércio Santos Junior, de São Pedro, mostra ser possível montar um minicampo de golfe em um jardim, condomínio ou no espaço de uma empresa. Para provar a viabilidade de seu projeto, Laércio manteve as árvores nativas que já existiam no espaço para compor essa área de lazer de um esporte que exige um ambiente sem contaminação visual para garantir a maior concentração do jogador. Além de grama, ele usou apenas madeira e areia e reaproveitou raspas de pneus. No paisagismo foram utilizados Phormium tenax, Dianela ensifolia, Clusia fluminensis, Dietes bicolor e Thumbergia erecta.

Jardim_do_Mini_Golfe

Jardim_do_Mini_golfe_II

O golfe foi trazido ao Brasil pelos ingleses quando da instalação da São Paulo Railway, sendo o primeiro deles construído no centro da capital paulista, próximo à Estação da Luz, no século XIX. O esporte está em alta no país: estima-se que existam hoje no Brasil 30 campos de golfe em projeto ou em construção. Em 2016 o golfe voltará a ser um esporte olímpico.

Investimento aproximado: não informado

 

Ambiente 19 – Praça do Convívio

Assinado pelas paisagistas Aldamara de Souza Mangia, de Itatiba, Maria da Glória Palmeira França e Fernando Antônio Legatti, também ambientalista, ambos de Campinas, o projeto prioriza as técnicas com ambientes integrados, atrativos e úteis, visando à socialização e a bem-estar das pessoas em um jardim público.

O portal de eucalipto tratado demarca a entrada do ambiente e cria uma expectativa aos visitantes  que encontrarão pela frente trabalhos artísticos e painéis de apelo e conscientização ambiental.

Sob a chuva de flores da paineira que foi preservada no local e inspirou a pigmentação vermelha que predomina nos elementos da praça, os profissionais impuseram o requinte do paisagismo nas composições que podem ser observadas no harmônico conjunto de movimentos de flores, árvores, arbustos e pedriscos.

A sinuosidade dos espaços é demarcada pela trilha feita de dormentes que levam às áreas de descanso equipadas com conjuntos de bancos, lixeiras e luminárias. Tudo em madeira.

Praca_do_Convivio

A posição dos bancos foi pensada para permitir a melhor contemplação das palmeiras, dos vasos de areca-bambú (Dypsis lutescens), do aspecto majestoso das patas-de-elefante (Beaucarnea recurvata) e das bacias repletas de beijos brancos (Impatiens hawkeri W.Bull) e valorizadas pelos pedriscos.

Os arbustos de mil-cores (Breynia disticha) dão uma ideia de privacidade aos bancos  num ambiente preenchido com a alegria das  petúnias perenes  (Petunia x hibrida Hort.ex Vilm.) e com a sinuosidade elegante das celósias (Celosia Argentea). Complementam o ambiente arbustos de azaléias (Rhedodendrom), movimentos de ixora coccinea (Ixora coccínea) e de hibiscos (Hibiscus rosa-sinensis )

O projeto de iluminação valoriza as palmeiras butiás no centro da praça e a  pigmentação vermelha do piso deixa o ambiente mais alegre e charmoso. Cada um dos oito exemplares de butiás plantados tem cerca de 40 anos de idade, cinco metros de altura e pesa, em média, 3,5 toneladas. Essa espécie de palmeira é muito resistente e ocorre, principalmente, nas regiões litorâneas do sul do Brasil. Fornecidas e plantadas pela Portal das Palmeiras, empresa especializada em produção, transporte, replantio e manutenção de palmeiras adultas de grande porte, as palmeiras foram dispostas de forma radial, margeando e protegendo a pracinha.

Investimento aproximado: RS 48 mil.

 

Ambiente 20 - Praça da Fonte

Se o verde e o vermelho das salvias (Salvia divinorun), camélias (Camellia l) e bromélias dão o tom do paisagismo do ambiente projetado por Christiane Roncato, de Campinas, é a fonte com chafariz, de cinco metros de diâmetro e sonorizada, que dá o tom. Do mesmo fabricante da fonte de águas dançarinas do Parque Ibirapuera, na capital paulista, o modelo instalado no último ambiente da mostra de paisagismo e jardinagem é realmente um agradável convite para um rápido descanso do visitante, antes dele ingressar na exposição de arranjos florais.

Para assistir ao espetáculo das coloridas águas que bailam ao som de músicas eruditas, o visitante pode sentar-se nos bancos curvelíneos de metal que serpenteiam e abraçam os canteiros de flores. São 11 canteiros redondos e três trapedozais floridos com 4.500 mudas de sálvias vermelhas, que parecem ondular o jardim. Dois grandes ipês garantem o sombreamento do jardim

Não satisfeita, a arquiteta e paisagista Christiane Roncato importou da Holanda a idéia de bancos de pedra, inspiração colhida em um parque holandês, e os colocou bem próximos da fonte para que os visitantes possam sentir não apenas o som, mas, também, os respingos refrescantes da água.

Para completar, instalou um imenso painel ao fundo, cuja imagem integra-se ao paisagismo e plantou camélias brancas e rosas e forrações de sálvias e bromélias contornando todo o jardim.

Investimento aproximado: RS 48 mil (fonte com equipamento de sonorização e iluminação – R$ 60 mil; painel – R$ 3 mil; bancos de pedra – R$ 1 mil; bancos de metal – R$ 3,5 mil; pérgula – R$ 3 mil).

 

Informações:

Expoflora - Festa Holandesa das Flores

www.expoflora.com.br

 

Organização da Mostra 'Minha Casa & Meu Jardim' da Expoflora

Floral Design Brasil

19 3802-1325 / 3802-2017
Holambra / SP

www.floraldesign.com.br


Publicidade