A principal revista eletrônica de Arquitetura Paisagística do Brasil !

Praça Casa Cor Hotel - Ambiente assinado por Agrotexas Arquitetura e Paisagismo


Como atrativos ao olhar, o conjunto traz ainda uma cerejeira (Okinawa sakurá) do gênero Prunus (Rosaceae), cuja floração deverá ocorrer durante a mostra, entre junho e julho , e espelho d´água revestido com pastilhas de vidro em tons de vermelho. A água, aliás, é predominante não somente no espelho que reflete a arquitetura como também no platô de vapores e borbotão (efeito d´água que, no ambiente, brota de uma bacia de pedra maciça em perfeita semelhança a uma nascente natural).

26_casa_cor_-_agrotexas_arquitetura_e_paisagismo_-_praca_casa_cor_hotel2

26_casa_cor_-_agrotexas_arquitetura_e_paisagismo_-_praca_casa_cor_hotel5

“A água e o seu reaproveitamento são homenageados neste projeto, o que nos levou a nomear a praça de Esplanada das Águas”, destaca Miriam.

Para evitar desperdícios, todo o líquido do espelho e do borbotão é circulante, reaproveitado ininterruptamente. Ainda dentro da tendência Casa Cor de apresentar ambientes que agreguem tecnologia e soluções sustentáveis, a praça dispõe de piso drenante, que garante a permeabilidade do solo no ambiente externo com material reciclável em sua composição, iluminação em LED de baixo consumo e deque de madeira certificada extraída de reflorestamento de pinus.

26_casa_cor_-_agrotexas_arquitetura_e_paisagismo_-_praca_casa_cor_hotel4

“E ainda tem mais. Posicionado sobre a marquise do Jockey, um sistema de cobertura de alto desempenho composto por módulos fotovoltaicos para captação de energia solar garantirá a iluminação e o funcionamento da infraestrutura elétrica da praça. Em um medidor posicionado em um display, o público poderá acompanhar a quantidade de energia gerada”, completa o paisagista Robson de Freitas. O profissional ressalta ainda a presença de árvores pertencentes ao ecossistema da Mata Atlântica. “Selecionamos espécies nativas e exóticas, árvores predominantemente escultóricas como guatambu e jabuticabeira”, aponta Robson.

26_casa_cor_-_agrotexas_arquitetura_e_paisagismo_-_praca_casa_cor_hotel3

Além de tecnologia, moda e estilo, os outros dois eixos temáticos da Casa Cor 2012, se refletem no ambiente pensado a partir de uma estética minimalista que contrapõe às formas da natureza, uma composição geométrica definida, tudo afinado a um estilo coletivo de vida. “A composição do projeto sugere aos visitantes que é possível aliar a preservação dos elementos da natureza à tecnologia, ao design e à funcionalidade, um conjunto de variáveis que favorecem a qualidade ambiental no plano coletivo da cidade, seja no âmbito do espaço público ou dos ambientes privados”, explica Miriam Escobar, arquiteta paisagista da Agrotexas.

Pisos Drenantes

Fabricado com alta tecnologia Braston, o piso drenante antiderrapante da Praça Casa Cor Hotel possui em sua composição resíduos de obras como revestimentos cerâmicos, de porcelanato, granitos e mármore. Entre as novidades que poderão ser vistas na mostra, a marca trabalhou na retirada de pontas retas dos cantos.

26_casa_cor_-_agrotexas_arquitetura_e_paisagismo_-_praca_casa_cor_hotel8

O formato atual levemente arredondado aumenta a resistência a impactos e falhas laterais. Além da capacidade de drenagem de água da chuva superior a 90%, a presença de óxido titânio entre os componentes garante a retenção de parte do gás carbônico que retornaria à atmosfera, técnica utilizada em novos edifícios dos Estados Unidos.

Cerejeira no Inverno

A árvore em exposição na Praça Casa Cor Hotel é originária da ilha japonesa de Okinawa, onde as cerejeiras florescem até dois meses antes da primavera. Por ser uma região com um clima mais quente, a espécie Prunus (Rosaceae) foi a única a adaptar-se à ilha, podendo ser avistada ao lado de árvores típicas de um clima subtropical.

26_casa_cor_-_agrotexas_arquitetura_e_paisagismo_-_praca_casa_cor_hotel9

Como muitos sabem, a cerejeira é a árvore símbolo do Japão, onde é conhecida como sakurá. A florada uma vez ao ano dura cerca de uma semana. Símbolo de felicidade, na época de seu florescimento no Japão, entre março e abril, são realizadas as “hanami” (festas para admirar as flores). Bastante comuns na forma de chá em casamentos e datas festivas em terras nipônicas, no tempo dos samurais era uma grande glória morrer no campo de batalha coberto por pétalas da flor.


Publicidade